segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Os Capueiras e o desafio de manter uma família unida e forte



Por Maria José Cotrim

Vi e co-participei de uma cena esse fim de semana. Não querendo fazer desse espaço um diário mas realmente me intrigou uma reunião de família da qual participei neste domingo, 27. Era a comemoração dos 64 anos de casamento de um famoso casal que educou 13 filhos e mais de 30 netos...

Com grande parte da família reunida era visível a união. E, depois quando foi anunciada uma reunião primeiro com os irmãos, depois com os jovens e depois com as mulheres da família fiquei mais intrigada ainda. Num mundo em que perdemos tantos jovens para os vícios será que atitudes como essa fazem a diferença?

Tenho certeza que sim. Com a banalização dos relacionamentos e com o esquecimento parcial ou total da formação da família e dos valores e preceitos fundamentais fica difícil controlar a vida dos filhos e proporcionar uma vivência harmoniosa entre os familiares. A família é conhecida como “Os Capueiras”.

O patriarca, Sr. Sebastião,contou-me alguns segredos que parecem impossíveis num mundo em que o computador toma mais tempo do que uma boa conversa em família. “È obrigação de cada um fazer sua parte na família”, disse ele. O fato é que o natal ainda é talvez a única ocasião em que a família se sinta na obrigação de estar reunida em volta da mesa.

Se falta estrutura dentro da própria casa tudo sai do lugar...essa foi a mensagem passada ontem num ambiente em que a comida, as histórias e a harmonia familiar prevaleceram. E, externando ainda esse desejo de união, a família tem uma Associação que presta serviços à comunidade: A doação ultrapassou os laços familiares e beneficia também outras pessoas.

Minha mensagem hoje é a de que o argumento da falta de tempo não cola mais. Se falta tempo para a família, para o diálogo... com certeza isso vai se refletir nas ações dos integrantes da família. Não sei se em pleno século XXI a família está entre os quesitos mais importantes para as pessoas, mas tenho certeza que ela ainda é o melhor caminho para uma vida mais saudável em sociedade.

Sem discursos moralistas: pergunte a um adolescente que nunca estudou porque ele vende droga? A um homem que cresceu na favela e está preso porque roubou?Porque faltou família, faltou base...o caule é fraco,as folhas e frutos também porque não houve raiz. Que em 2010 cada um busque uma reflexão em torno dos valores familiares. Eu tenho o privilégio de estar entrando na família Capueira, já com a meta de fazer minha parte para fortalecer a união entre a querida “Raça”,como é chamada por alguns.

9 comentários:

  1. bacana o texto Mari...

    ResponderExcluir
  2. Nossa que família legal...onde é o município?- Larissa- SC

    ResponderExcluir
  3. Os Capueiras....nome legal!Parabéns nobre jornalista por você diversificar tanto os assuntos;Leio seu Blog todos os dias!
    E parabéns pela entrada nessa família...rs!
    João Paulo - Unegro - RJ

    ResponderExcluir
  4. Relamente o valor da família está esquecido,....
    Mari quand vc vai estreiar o Site?
    Conte com meu apoio...
    Rô...

    ResponderExcluir
  5. Gostei demais desse texto...
    Parabéns à família Capueira
    Eparabéns a vc minha grande amiga jornalista que eu gosto demais cada dia mais e mais...A reflexão foi maravilhosa....

    ResponderExcluir
  6. A família é mesmo a base de tudo...
    De todas os integrantes,,,
    Linda Maria José...seu texto é maravilhoso!

    ResponderExcluir
  7. Nem escrever mais sobre o valor da família o povo quer mais....concordo com vc!
    Vc faz a diferença,linda!
    Seu amigo Dione - SP-

    ResponderExcluir
  8. Gentheeeee,,,,
    A Mari deu show...
    Valeu por você ser uma das poucas que escreve sobre o negro...
    Juliana Fonseca- Unegro - PE

    ResponderExcluir
  9. essa familia é linda mesmo....bjao de sua futura sobrinha jaquellynne

    ResponderExcluir